quinta-feira, abril 24, 2008

Nos 80's...

...tinha eu de 4 a 14 anos e, durante essa década, muito mudou... ou talvez não...

Fui traquina e irrequieto ao ponto do exasperanço completo dos meus pais e restante família. Armei confusão da grossa em quase todo o lado onde estava, em casa ou na rua, sem que houvesse mão em mim que não fosse para uma merecida palmada (ou colher-de-pau-zada, no caso das mãos mais delicadas da minha mãe que, despidas, falhavam no propósito de inflingir o castigo). Fechei todas as portas da casa, roubando as chaves de seguida. Simulei duas sensacionais fugas de casa (uma da quinta que valeu esvaziar de tanques e batida dos campos, aparecendo somente quando ouvi a minha avó sentir-se mal e outra escondido atrás dos cortinados onde adormeci, depois de ter ameaçado que me ia embora, o que foi ignorado até o beijo de boas noites encontrar uma cama vazia). Soltei os animais das jaulas onde estavam por mais de uma vez, para gáudio dos cães da Toca do Velhaco que devoraram meia coelheira; para infortúnio dos cortinados e sofás da minha avó que foram roídos sem contemplações pelos hamsters; com perda total para o dono das galinhas, já que nunca retornaram a casa. Fui o proverbial hipópótamo na loja de cristais, o que me valeu um seguro de acidentes pessoais desde tenra idade. Tentei, por mais de uma vez e de método, despachar a minha irmã: pela janela, berço e tudo; pelas escadas, no andarilho; com uma raquete de ténis na cabeça (tendo providencialmente recebido umas novas nesse mesmo dia que, adianto, passei de castigo) ou alimentando-a de piriscas de cigarro, o que lhe valeu o vício eterno (temporariamente suspenso a bem da prole). Liguei a pista de carrinhos à tomada de 220V com consequente ignição do veículo que, no entanto, antes de dar o peido mestre protagonizou o melhor arranque de sempre. A minha própria integridade física de nada me interessava, com banhos auto-inflingidos de leite a ferver (atraído pelo barulho chocolhoante daqueles discos de vidro que se punham nas cafeteiras para evitar que o leite subisse - leite do dia não ultrapasteurizado, em pacotes moles, claro); banhos de lixívia, hence the name; cocktails de medicamentos que me valeram uma lavagem ao estômago; fuga e atropelamento (ao contrário do que seria de esperar) por um R5 na baixa; lápis espetado na palma da mão, deixando para trás até hoje a ponta de grafite; 2 enganganços quase fatais, um com um drop de laranja (ao saltitar sufocante em frente ao televisor para pedir ajuda recebi um seco "sai da frente da televisão" ao que retorqui vomitando o jantar e o malfadado drop) e outro com uma peça de lego sugada por uma palhinha (simulava um elevador numa construção vanguardista) que foi prontamente engolida por um whisky&soda (começou aqui uma bela relação com a pinga) da minha tia, que estava, felizmente, ali à mão; uma mordidela num cotovelo por uma "lassie" traiçoeira; um escaldão solar valente que obrigou ao corte da pele das minhas costas e a 10 dias à sombra (que tormento, em pleno verão no Algarve); esmagamento dos dentes da frente num balouço (com 15 dias a soro e sopa e um novo look ainda hoje por corrigir mas que já faz parte da imagem de marca); corte de lado a lado no lábio inferior por um copo maldosamente manuseado (com 10 pontos por dentro e por fora que adicionaram mais uma marca simpática)...
Noutro tema, já vos disse que os meus genes são dominantes?

5 comentários:

IM disse...

Depois disto vais ficar tio para sempre...nenhuma criatura em sua consciência estaria disposta a partilhar genes contigo!!! Irra!!! Acabaste de de condenar os teus genes á solidão!!!
LOLOLOLOO

Diana disse...

E viva a adopção? ahahahahah
muito bom, fartei-me de rir!

Dumuro disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Catarse disse...

Ohhh... nem pensar nisso!
Genes destes não se podem perder! Olhem lá os incontáveis anos de diversão que proporcionam aos papás! Eheheheheheheh

Arroz de Casca disse...

Diversão???!!!! Eu tinha-te era afogado no caldeirão...e não era o da poção mágica dos gauleses!