terça-feira, dezembro 30, 2003

Férias todo o ano.

Porque é que será que uma vez chegados ao balcão de um serviço público e se pedido que o funcionário faça um trabalho ligeiramente diferente do habitual mas ainda que sua obrigação, a resposta seja: “Ah! isso agora só para a semana.” Ou “pois isso não é aqui” ou então o mítico “ não sei se é possível mas vou ver”. Depois de insistir o cidadão lá consegue que um funcionário meio resfolgante lhe traga o pretendido.
A técnica é mostrar simpatia pelo frio que se faz sentir naquela repartição, ou pelas as diminutas férias dos funcionários. O ideal mesmo, é dizer mal do ministro que tutela aquela repartição, a forma perfeita é: “ …porque vocês é que estão aqui no terreno…”.
Será que ninguém veste a camisola por este País. Ou será que o mau atendimento é causado por em todas as repartições do País rádio estar sintonizado ligado na R F M.

sábado, dezembro 27, 2003

27

Sempre foste fixado no 27. Talvez porque nasceste num dia 27/12 (e 2+7 são 9, 1+2 são 3, e 3x9 dá, é um facto, 27). Talvez porque foste o 27 numa qualquer turma de liceu ou porque fizeste exame de condução no dia 27. Ou simplesmente porque, como nos ensinavam na primária, três-vez-nove-vintessete.

Hoje é um dia muito especial. É dia 27. Mais importante que isso, fazes 27 anos. Pergunto-me quantas vezes terás pensado nisso nos últimos dias…

Hoje é dia 27/12/2003, e se 2+7 são 9 e 1+2 são 3, como já vimos, 2+0+0+3 são 5. Ora 3x5 dá 15, e 1+5 são 6 e 6x9 dá 54. Sendo que 54 é o dobro de 27 e, portanto, a idade que farás de hoje a, precisamente, 27 anos. (Nesse dia voltaremos a falar sobre isto…) Mas tem outra particularidade, o 54. É que 5+4 são 9 e dentro do 9 há três 3. E 3x3x3, já todos percebemos quanto dá…

sexta-feira, dezembro 26, 2003

Crise, que crise?

Este Natal de Cristo, foi marcado pela crise económica. As lojas estavam vazias, as pessoas andavam na rua com menos sacos; enfim este Natal, os Portugueses decidiram gastar menos. Esta foi a opinião publicada.

A minha experiência foi outra: este Natal, vi pessoas cheias de compras e as áreas comerciais cheias de movimento. As lojas dos antigos 300 escudos, agora de 1,5 Euros estavam cheias, no Sábado anterior ao Natal negociou-se como nunca na feira da Ladra em Lisboa, as filas para pagar na cadeia de supermercados Lidl estendiam-se até à zona dos queijos – que como sabe quem frequenta esta loja é no extremo oposto ás caixas - e nas lojas chinesas, onde era possível entrar por tantos serem os clientes, pagar era trabalho de Hércules.

Não compreendo por isso como é que se pode dizer que este Natal os Portugueses gastaram menos.

terça-feira, dezembro 23, 2003

Neva em Palermo

Diz o Repubblica.

Este país, com o seu maravilhoso clima "temperado", onde está um frio de rachar, não tem sequer a dignidade de nos oferecer um pouco de neve para o Natal...

segunda-feira, dezembro 22, 2003

Agenda 2004

Percebi hoje que me esqueci, na semana passada, do aniversário de uma grande amiga.

Nota mental para 2004: comprar uma agenda.

Que grande CamarÃo!! Filho de uma grande lagosta!!

José Manuel Fernandes, na sua coluna de opinião, critica duramente o Primeiro Ministro de Portugal por este se ter deslocado ao casamento da filha do Presidente de Angola.

Porém, José Manuel Fernandes desconhece o verdadeiro objectivo desta visita a Luanda.

Durão barroso foi a Luanda buscar marisco, peças de caça, trufas, caviar e outras iguarias para ele próprio servir aos sem abrigo de Lisboa. Encontrar estes alimentos não é fácil, e no passado fim-de-semana, o único sítio do mundo onde se podiam encontrar era em Luanda.

É sabido que todos os anos o primeiro-ministro vai jantar com os sem abrigo de Lisboa. Antigamente na casa dos pobres e actualmente, por questões de espaço, nas cantinas universitárias.

Ora o primeiro, querendo que os sem-abrigo de Lisboa pudessem degustar o melhor, decidiu ele próprio ir buscar e provar os alimentos que traria para Portugal.

Esta missão patriótica encontrou uma dificuldade: um camarão carregadinho de salmonelas. O Primeiro ficou doente e mandou a mulher e o ministro da presidência jantar com os pobres de Lisboa.

Por isso, porque foi uma missão patriótica as críticas de José Manuel Fernandes não têm razão de ser.

Portugal mítico

O Portugal mítico vai passar o Natal à “terra”.

Na “terra”, onde só há o “bom vinho” o “bom azeite” e as “verduras apanhadas no momento”, estão as recordações de infância e as verdadeiras preocupações da semana de trabalho.
Da “terra” são as pessoas que se ajudam incondicionalmente, ou as com que logo se simpatiza: - “ Então, o amigo também é lá de cima, conheço muito bem aquela zona. ” - e zás, logo o requerimento entra sem espinhas, logo o jantar vem melhor servido ou logo se pode passar depois de fechar.

Da “terra” saiu-se um dia para a cidade para procurar emprego ou para casar. Para a “terra” se há-de voltar depois da reforma. Até esse dia, regressa-se o mais possível aos fins-de-semana e sempre no Natal.

sexta-feira, dezembro 19, 2003

Correio dos leitores

Ora cá está primeira contribuição escrita dos leitores da Gabardina. Venham mais!

Caros (ga)bardinos,

Em primeiro lugar não posso deixar de vos felicitar pelo vosso blog. Gosto do
vosso sentido crítico, oportuno e coerente.

No entanto, e porque os vossos posts nem sempre estão isentos das vossas
ideias políticas, sinto o dever de comentar o seguinte post:

"Quais as diferenças entre a direita e a esquerda?
Para além, de todas as discussões que já mantive sobre o assunto, as
diferenças essenciais e tendenciais parecem ser:
a direita considera que o elemento irredutivel da sociedade é a familia, a
esquerda considera que é o individuo; a direita considera que o homem é um ser
essencialmente mau (homine lupus homini est), a esquerda acredita no bom
selvagem; a direita quer essencialmente a conservação do que existe, a
esquerda quer alterar o status quo.
E já está."

Entendo que:

1. Atribuir à esquerda a exclusividade da ideia de que o homem é bom, o que
legitima o sentimento de exclusividade no que respeita a tão nobre atitude (o
humanismo), é próprio de quem não quer mudar as coisas mas sim garantir monopólios.

2. A direita entende que o núcleo central é a família, dizem vocês. Devo
informar-vos que a maior aberração ao nível fiscal consiste no sistema de
tributação conjunta no IRS, que se materializa na aplicação do quociente
conjugal. Apenas alguns países europeus (julgo que apenas a França e o
Luxemburgo) têm este sistema que distorce a justiça e equidade do sistema
fiscal. Entende o estado que assim garante a manutenção da família como
unidade económica. Este sistema foi inventado pela esquerda…

3. "Já está" é uma expressão semelhante ao "ponto final" ou ao "é assim", etc.
bem diferente do "porque eu quero", uma vez que esta última reflecte a
verdadeira intenção do indivíduo: é sinal de liberdade! Ora, pelo que tenho
ouvido, o homem de esquerda tem vindo beber muita inspiração nas ditaduras
militares. Atrevo-me a dizer que já está e tá mal!

4. E porque nem só de crítica vive o homem, cito Marcelo Rebelo de Sousa que,
na qualidade de líder do PSD, disse um dia que a grande diferença entre a
direita a esquerda, é que a primeira via o cidadão como accionista do estado,
enquanto que a segunda via-o como cliente. Esse homem, entre a leitura de BD,
da proposta para o OGE e da emissão de um parecer jurídico, resumiu em poucas
palavras o nosso país guterrista: os rendimentos mínimos, os subsídios e toda
essa macacada que faz do homem um bom selvagem…

Saudações cordiais, porque abraços é para quem gosta de pessoas...
Daniel Taborda

quinta-feira, dezembro 18, 2003

Ali para os lados do Marquês de Pombal, perto do sitio onde os executivos vão às putas, há uma pequena rua. Nessa rua, ou melhor na esquina dessa rua, está o comentador politico mais temido da actualidade. Não tem os fundamentos de Pacheco Pereira, não tem a brilhantina de Carrilho, não tem a parcialdade de Luis Delgado e nem sequer é a instituição de um Fernando Madrinha. Não... este homem usa saltos, tem duas mamocas e veste de cor de rosa. Chama-se Lola e é o decano da homosexualidade-travestismo-prostituição masculina da cidade de Lisboa. E este homem tem opinião que merece ser ouvida. Ora, ouçamos as suas revelações.

Sempre o Palma...

Se queres ver o mundo inteiro à tua altura
Tens de olhar p'ra fora sem esquecer que dentro é que é o teu lugar
E se às duas por três vires que perdeste o balanço
Não penses em descanso, está ao teu alcance tens de o encontrar

Na terra dos sonhos, podes ser quem tu és,
Ninguém te leva a mal
Na terra dos sonhos toda a gente trata a gente
Toda por igual
Na terra dos sonhos não há pó nas entrelinhas
Ninguém se pode enganar
Abre bem os olhos, escuta bem o coração,
Se é que queres ir para lá morar

Ondas de civilização

Ao longe já se ouve a vaga de fundo da civilização a anunciar a descriminalização da I.V.G. Perto da praia os botes ancorados, cor de lodo e cheiro a mofo, vão presenciar os primeiros náufragos.

E a seguir virão as vagas das drogas leves.

quarta-feira, dezembro 17, 2003

Preocupa-me

ainda mais que os estudantes sejam paus-mandados em vez de mandarem na sua Academia.

Preocupa-me

muito que figuras como Fausto Correia e Jamila Madeira mandem na Associação Académica de Coimbra.

"Você Decide" - a resposta

A TSF responde em primeira mão ao post de ontem da Gabardina.

A Associação Académica de Coimbra (AAC) vai fazer um referendo sobre a realização da Queima das Fitas 2004.

Parece, portanto, que a resposta correcta era uma mistura das opções
2- Preparavam os discursos do novo Presidente da AAC;
e
4- Idealizavam um ataque bombista;

Esperamos que os estudantes decidam bem e compreendam que muitas vezes é necessário prescindir de algumas coisas a curto prazo para ganhar outras, mais importantes, no longo.

O sr. tv.

Ontem, a R.T.P apresentou um programa em que rendia mais uma homenagem a uma figura das suas fileiras: Henrique Mendes. Será que vai ter a decência de homenagear Carlos Cruz.

terça-feira, dezembro 16, 2003

Diz-me como beijas...

Carlos Cruz está com um sentido de humor apuradíssimo. O homem que é responsável pela organização do maior evento desportivo em Portugal avisa: “Cuidado ao beijar o menino Jesus …” . E tem razão.
Este Natal quando pelas serras e montes deste País, o senhor padre levar o menino Jesus para ser beijado pelas famílias católicas portuguesas será o momento indicado para identificar os pedófilos que vivem entre nós.
Para facilitar a identificação de tal criatura horrenda, preparei um pequeno manual capaz de identificar pedófilos apenas pela forma como beijam o Menino Jesus.
Assim:
O pedófilo fetichista: vai beijar os pés do menino
O pedófilo sádico vai beijar o menino e depois vai esboçar um sorriso.
O pedófilo onanista vai apenas passar a mão pelo corpo do menino.
O pedófilo compulsivo vai pegar no menino antes de o beijar.
O pedófilo masoquista vai morder o lábio antes de o beijar.

Creio que assim, munidos destes indícios claros, podemos todos consoar em paz e garantir, que se ao nosso lado estiver um pedófilo será de imediato denunciado à Felícia Cabrita, pois o M.P já arquivou muitas queixas.
E o padre que leva a casa das pessoas o menino, também deve ser denunciado? A resposta não é simples, mas era isso que Carlos Silvino fazia.

Você Decide

O que faziam, ontem à hora de jantar, Victor Hugo Salgado, Fausto Correia, Jamila Madeira e mais algumas figuras socialistas de Coimbra, no Hotel Tivoli desta cidade?
Hipóteses:
1- Discutiam os problemas dos portugueses;
2- Preparavam os discursos do novo Presidente da AAC;
3- Analisavam as vantagens fiscais das contas off-shore;
4- Idealizavam um ataque bombista;
5- Organizavam uma conferência científica.

segunda-feira, dezembro 15, 2003

Comentários

Os meus amigos, desde que descobriram quem escreve na Gabardina, passam o tempo a queixar-se de que o nosso blog não tem espaço para comentários.

Já o disse e deixo-o agora aqui escrito: mandem mails!!! Para gabardinablog@hotmail.com (desde sempre na barra lateral do blog). Nós prometemos ler e publicar o que for publicável!

Sousa Tavares, o arrogante

O José Mourinho (personagem futebolístico também conhecido por 40 bocas) do jornalismo português está cada vez mais arrogante e insuportável. É só ler as entrevistas que por aí andam. Se as pessoas são boas naquilo que fazem, óptimo, mas ser arrogante ao ponto de fazer os outros terem vontade de lhes bater, é um bocado demais...

Alerta!

Há pessoas a almoçar de pé.

Sou leitor assíduo da Classe média. Interessa-me aquele gotejar niilista.

O barbas

Primeiro disseram que o Iraque era um supermercado de bombas nucleares. Depois disseram que era um pântano de armas químicas capaz de lançar um ataque a qualquer capital Europeia em menos de 45 minutos. A seguir, mostraram uma rapariga de 19 anos que se tinha batido heroicamente em nome da liberdade. Não contentes mostraram o Presidente a jantar um belo e suculento peru.
Ontem, disseram que capturam o ditador.

Tenho para mim, que o homem que, qual equídeo, foi examinado à frente das câmaras, não é o verdadeiro ditador. Tenho para mim que o homem que apareceu ontem nas televisões de todo o mundo, vive ali para os lados da costa de Caparica , tem um restaurante e é um conhecido adepto do Benfica. Ontem, os americanos apresentaram ao mundo o Barbas, conhecido adepto do S.L.B.

Porquê? Essa foi a contribuição que o governo de Portugal decidiu dar às tropas Americanas. Vem tudo no documento secreto assinado na célebre conferência das Lajes.

sexta-feira, dezembro 12, 2003

direita ou esquerda?

Quais as diferenças entre a direita e a esquerda?
Para além, de todas as discussões que já mantive sobre o assunto, as diferenças essenciais e tendenciais parecem ser:
a direita considera que o elemento irredutivel da sociedade é a familia, a esquerda considera que é o individuo; a direita considera que o homem é um ser essencialmente mau (homine lupus homini est), a esquerda acredita no bom selvagem; a direita quer essencialmente a conservação do que existe, a esquerda quer alterar o status quo.
E já está.

quinta-feira, dezembro 11, 2003

Há vida em toda a parte ou crónicas de um monitor irritado

psst, Psst
Olá! Não, não olhes para os lados, sou eu mesmo. Aqui. Sim, pensavas que eu era só luz e cor. Olha que todos os dias à tua frente está um monitor que começa a ficar farto de ser ignorado. Farto! Estás a ouvir! e se eu me irritasse e me desligasse agora? Assim!...sem mais!... gostavas?... Hã..., diz lá, como é que era, se amanhã eu desse o berro. Assim, sem mais. Puf!!!. Foi-se o monitor. Era lindo não era?
Por isso respeitinho, sabes que te conheço muito bem. Nunca ninguém te vai olhar tanto nos olhos como eu te olho, por isso cautela. Pelas horas, dias, meses e anos que já passaste aqui à minha frente, consigo prever cada respirar teu.
Vá, e agora desliga-me que estou a ficar constipado com essa gripe que apanhaste no fim de semana.
Amanhã apresento as minhas reivindicações.

Alterações à Gabardina

Mais uma vez a Gabardina mudou um pouco de aspecto.
Tem novas cores e um novo espaço na coluna da direita. Para os blogs dos amigos, que também gosta de visitar frequentemente. O seu primeiro ocupante é o Forças de Blogueio. Malta bem informada nos meandros do desporto e sempre na primeira linha de defesa do Victor Baía. Já agora, rapazes, digam lá se sabem por que razão o Scolari nem pensa em convocar o Baía? A Gabardina ouviu dizer que o quando o Felipão chegou, o Baía lhe tentou explicar que já há algum tempo era ele que escolhia quem jogava na selecção, e que o brasileiro não terá gostado nada da conversa...

Questão I

Qual é o olhar que uma prostituta provoca nas mulheres que por ela passam?

Noticias da tarde

Em Gondomar, a G.N.R destacou 250 militares todos armados até aos dentes com caçadeiras, escudos e coletes ani-bala e sequestrou um bairro social. Revistaram durante 10 horas as casas, os jardins e os arredores. No final da operação, o responsável da policia, todo enfarpelado, disse que a operação fora um sucesso porque tinham detido 4 homens, apanhado uma arma de fogo e apreendido 4 viaturas. Da droga, razão que fundamentou este circo, apenas disse que tinha sido apanhado haxixe e heroína. Porque eram irrisórias, não referiu em que quantidades.

Em Loures a P.S.P disse a uma brigada de rua, para, em vez de fazerem o giro normal, estacionarem numa rotunda e fiscalizarem os carros que lhes parecessem suspeitos. Em duas horas, numa operação de rotina a P.S.P de Loures apanhou 4 condutores sem carta, 1 condutor com documentos falsificados, 7 condutores alcoolizados e ainda 5 viaturas procuradas pela polícia.

A P.S.P de Loures devia informar à G.N.R de Gondomar de que há mais droga à venda em garrafas nos cafés, do que escondida nos quintais dos bairros sociais de Gondomar.

Clap!tomaníaco

Estou tão de acordo com post do Luís Camilo Alves, que não me contento com o link.
Aqui ficam algumas partes:

Se o mundo acabasse amanhã à palmada, os portugueses eram o único povo que sobreviveria a um longo inverno apocalíptico. Portugal pode ficar em último lugar em todas as estatísticas e indicadores de desenvolvimento, mas é o primeiro em aplausos per capita.

(...)

O português, quando bate palmas, não está apenas a bater palmas. Está a também a aplaudir. E - pode-se hoje afirmar com alguma segurança -, à mínima oportunidade, aplaude tudo o que apanha pela frente. Quanto pior for o espectáculo, o livro, o filme, o telejornal, a asneira e o molho do bife, mais ele oscila generosamente os braços.

(...)

Morfologicamente, o palmípede tem músculos que ligam as palmas das mãos à coluna vertebral, ao crâneo e aos pés. Quando aplaude, todo ele se abana e sacode. Tomemos, a título de exemplo, uma anedota do Fernando Rocha: à primeira *#!*lhada, já está a menear a cabeça, para a frente e para trás, como fazem os pombos a andar. À segunda, debate-se contra a força gravitacional que o prende à cadeira. À terceira já é atracção de circo.

(...)

O problema do palmípede reside no facto de sovar as palmas das mãos, indiscriminadamente, a tudo o que mexa, sobretudo se medíocre. Paradoxalmente, acaba por se levar demasiado a sério. E isso eu não aplaudo.

quarta-feira, dezembro 10, 2003

Os três amiguinhos...

Alguém chega a casa, entra no quarto e vê um micro-ondas queimado por dentro, com a mesa posta em cima da cama a utilizar os dois pinos da ficha eléctrica como garfo para comer um dicionário , uma biografia do Aquilino Ribeiro e um manual de direito administrativo.
Qual será o primeiro pensamento de alguém que passou o dia a preencher requerimentos para pedir apoio judiciário?
a) Será que me esqueci de deixar comida ao micro-ondas?
b) Será que os livros se estão a suicidar?
C) Será que me esqueci de me suicidar com a comida dos livros aquecida no micro-ondas?

terça-feira, dezembro 09, 2003

A Economia portuguesa continua em recessão


Diz o Público.

o bordel da bola

Entre a política e futebol é lugar comum dizer que existe uma certa promiscuidade.
Promiscuidade, porém não define o que na passada semana se passou algures no Porto. Uma série de dirigentes políticos locais reuniram-se à volta de uma mesa, chamaram a comunicação social, e cada um à vez, pedinchou ao presidente do F.C.P para se voltar a candidatar à presidência do clube. Um a um teceram um elogio ao presidente. Depois, em coro, e pelo diapasão da pedincha, os dirigentes políticos mendigaram mais uma candidatura.
Nessa tarde não houve promiscuidade entre futebol e politica, o que houve foi um autêntico bordel entre dois sectores de actividade que lavam as mãos, uma na outra com ganhos para ambos os lados.

sexta-feira, dezembro 05, 2003

O corpo é que paga

Quando estudava tinha um namorado na terra.
Para seguir a carreira de modelo, decidiu ir para a cama com um fotógrafo.
Para entrar na Agência, envolveu-se com o irmão do dono.
Para sair na capa da revista da moda, enrolou-se com o editor.
Para ser directora da Agência, casou-se com o patrão.
Quando o marido a trocou por uma modelo mais nova, ficou só.
Quando morreu, o cangalheiro achou por bem dar-lhe mais uma alegria.
Depois de enterrada, foi comida uma última vez. Pelas larvas.

Instituto da Droga e da Toxicodependência.

Duas perguntas gostava de colocar aos decisores políticos que criaram aquele organismo.
Primeira: Porque é que se se considera que a toxicodependência é uma doença, se coloca um ex-policia a dirigir aquele instituto.
Segunda: Se os institutos públicos são organismos públicos que servem para defender da melhor maneira os interesses objecto de que se ocupam (assim, o instituto da juventude defende como melhor entende os interesses da juventude, o instituto das estradas zela pelos interesses das estradas, etc)…qual o sentido de criar um instituto para defender os interesses da droga.
Se o País quiser mudar alguma coisa neste assunto da droga, deve começar por criar o Instituto contra a droga e toxicodependência e nomear para seu director um médico.

quinta-feira, dezembro 04, 2003

A estudantada foi fácil de vergar...

Os estudantes tiveram oportunidade de ir até ao fim com a luta por uma educação universal, gratuita e de qualidade, para isso bastava terem sacrificado a festa. A sua festa era sacrificável, em nome desses princípios; mas não, já nenhum dos estudantes candidatos à Associação Académica de Coimbra quer o luto. E, desconfio, que o actual presidente, só o propôs porque sabia que não ia candidatar-se nas eleições e que por isso, não corria o risco de o ter de cumprir.
Mais uma vez a luta contra as propinas serviu muito mais os interesses dos dirigentes associativos que se querem promover à custa de manifestações com 10 000 estudantes, do que os princípios de uma educação de qualidade, gratuita e universal.
Hoje as manifestações não passam de rituais que os universitários acham que devem passar, para tentarem macaquear a geração anterior. È pena que os jovens universitários pensem que estão a imitar o Maio de 1969 e não compreendam se o quisessem fazer teriam de ser bastante mais radicais.
A justificação: quem precisa de justificação quando há Sagres a 50 cêntimos. Mas até pode ser que exista uma justificação, e até pode ser que a maioria dos que hoje frequentem o ensino universitário apenas gostem da ideia de usar uma fatiota preta e desfilar com os copos nas ruas das cidades. Tudo, claro, sem nunca pisar muito o risco.
A verdade, é que se o ensino universitário era antes do 25 de Abril frequentado por uma elite, hoje, isso não é mais assim. E isso é bom e isso é mau.

quarta-feira, dezembro 03, 2003

Ao Calinas

O Diário de Coimbra é uma instituição da Lusa Atenas. Um clássico da vida na cidade.
O velho “Calinas” sempre nos surpreendeu com as suas magníficas gralhas, que se tornaram sua imagem de marca.
Quem não se lembra de uma falta de luz na Rua Visconde da mesma, de um Festival de Fados com as vogais trocadas, ou de um doloroso “Ai está a Queima” na primeira página de uma edição de Maio?
Hoje voltou à carga. Em título que ocupa quase metade da capa, dá-nos conta do “despedismo” nos Bombeiros Voluntários de Coimbra.

Continua sempre assim, Calinas! Pelo que nos fazes rir, pelos bons momentos que nos fazes passar, pelas estórias que nos permites contar e por, apesar de tudo isso, nunca termos perdido as mensagens das tuas notícias, aqiu te deixamos a nossa homenagem!

Dia do Banco Alimentar sem Compras contra a Fome

A malta cosmo-moderno-anti-esta-globalização viveu no passado sábado um dos momentos mais difíceis da sua ainda curta convicção.

É que ao mesmo tempo que se esforçava por cumprir um “Dia sem Compras”, o Banco Alimentar contra a Fome fazia mais uma campanha nos supermercados do país.

O meu primeiro palpite foi que a malta, pouco propensa à decisão, se faria valer do velho ditado (japonês, se não me falha a memória), que postula “se vires alguém com fome, não lhe dês um peixe, ensina-o a pescar”, para não pôr os pés no supermercado.

A verdade é que depois de ler esta notícia, percebi que ou a malta ainda é pouca, ou o apelo do consumo foi mais forte, ou reconheceu mais valor na iniciativa do Banco Alimentar que na do Dia sem Compras.

Eu, que passei o fim-de-semana todo numa aldeia sem supermercado, inclino-me para a segunda hipótese…

Real.. ou não...

- Ontem conheci um tipo muito simpático - diz uma amiga para a outra – estive a falar com ele a noite inteira.
- Deixa-me adivinhar, queria saltar-te à espinha?
- Não, por acaso não.
- Então, se não te queria comer, devia ser gay, não?
- Não, gay não era, sabes que os topo à distância.
- Se não te queria saltar para cima, se não era gay, então era casado e fiel, certo?
-Casado não era, e namorada também não tem, que isso eu pergunto sempre.
- Quer dizer o gajo esteve a falar contigo toda a noite, não te queria levar para a cama, não era gay, não tinha mulher nem namorada, e estava a falar a verdade? Então, se calhar também te achou simpática.
- Sim, deve ter sido isso. O pior é que eu queria que ele me saltasse à espinha, estou farta de comer gajas nas costas do meu marido.